A educação como ferramenta de contato permanente

 

Dona Áurea, presidente da Associação das mulheres do Assentamento Serra Verde.

Ela é Áurea Borges. Filha da roça. De origem tão simples quanto seu semblante trabalhador escancarado no rosto. Com uma calça jeans nova e uma bolsa marrom que demonstrava a vaidade das mulheres brasileiras, dona Áurea participava do II Dedo de Prosa no Sítio Rosa de Saron lote 27 em Barra do Garças.

Em outras situações como no mês de setembro poderia tê-la visto triste e com pouca perspectiva de futuro, a água estava escassa naquela época. “Sem água fica mais difícil fazer as coisas, mas a gente não desiste e vai a luta mesmo assim, porque não pode parar.” Eu a olhava comungando a expectativa de quem esperou durante dias aquela palestra com as doutoras que “tratam das criações”. As galinhas do sítio não ganhavam peso e os pintinhos cresciam pouco.

Dona Áurea prestava atenção nos mínimos detalhes que aquela garotada empolgada dizia. Ali naquela situação os (as) alunos(as) eram os doutores. Conhecimento sendo transmitido de geração para geração. Ora ou outra era possível vê-la anotando algumas considerações. Havia tantas indagações que pouco a pouco a teoria dos aspirantes a Médicos Veterinários do Centro Universitário do Vale do Araguaia (UNIVAR) era conceito novo a ser aplicado e difundido.

Quando as professoras Doutoras Renata Santos, Tatiana Mello,  e Natália Mora tomaram a fala, a dúvida dos assentados e a insegurança dos novos alunos foi dando lugar ao riso frouxo e as perguntas desinibidas. É felicidade que se fala, não é?! Outros como Áurea a todo o momento denunciavam-se alegres naquele que seria o II Dedo de Prosa, – o Lugar. Mas, afinal de onde estamos falando?

Palestra apresentada pelos acadêmicos do Univar.

O Assentamento Serra Verde pertence ao município de Barra do Garças /MT e têm sido um laboratório de aprendizado para diversos cursos do UNIVAR. Mais especificamente, o curso de Medicina Veterinária desempenha atividades junto a agricultura familiar e ao manejo sustentável.

Segundo a anfitriã do encontro, trabalhos e palestras fazem com que os moradores se sintam parte importante da vida urbana também.  Dona Selma como é conhecida é casada com Bodão e já sofreu na pele a dificuldade de primeiramente ter uma terra e depois conseguir produzir.

Selma explicando sobre a piscicultura.

A história da assentada talvez em outra circunstância nunca se cruzaria com a história da Drª Renata ou da Drª Natália, dizem que a educação derruba muros e constrói pontes. Neste caso, a educação transpôs fronteiras.

O UNIVAR juntamente com seu corpo discente têm atingido dia após dia as comunidades que mais precisam de assistência técnica e apoio para expansão. Renata, Natália, Selma e Áurea são distintamente viscerais à educação que permeia  um encontro de partilha de conhecimento. “Falar sobre vivência das mulheres no campo é acessar lugares de fala comuns”, salienta da Drª Renata, responsável pelo projeto de extensão.  Renata ensina sobre fórmulas, leis, patologias e profilaxia. Selma e Áurea ensinam sobre cuidado, afeto animal e luta emancipatória.

O encontro do II Dedo de Prosa contou com a  participação de diversos patrocinadores e autoridades de Barra do Garças. Na ocasião a saúde preventiva da mulher também fez parte da discussão.

Os acadêmicos do 6º semestre de Medicina Veterinária estavam debaixo de uma goiabeira que por segundos escondia o calor mato-grossense. De longe transpareciam orgulho da turma que fazem parte.

Os estudantes interpelam genuinamente o discurso de quem lidarão com sentimentos, lugares, pessoas, meio ambiente e animais. Isso não é sobre pertencimento, é sobre afeto, cumplicidade e histórias. O evento consolida a parceria com Assentamento Serra Verde, e também reforça a importância da Extensão Rural. Os acadêmicos podem interagir e sentirem-se próximo do pequeno produtor rural da nossa região, e além disso podem também levar novos conhecimentos técnicos para população, e aprender ao mesmo tempo.

Turma e coordenação de Medicina Veterinária

O II Dedo de Prosa é uma atividade extensionista iniciada em 2018 cuja história reflete em paixão por conhecimento rompendo horizontes e conseguindo atingir docentes, discentes e assentados, fortalecendo as cadeias produtivas do pequeno produtor rural da região do Vale do Araguaia. Porque afinal, todos nós queremos um bom cafezinho no quintal de casa rodeado de amigos.