Quando fala-se de saúde mental muitas pessoas ainda recebem a expressão com muito pudor. A falta de informação, o difícil acesso à identificação correta e o medo da insanidade é um dos fatores que causam esse tipo de mal-estar nas pessoas. Dentre estes transtornos, a depressão e a ansiedade são recordistas de diagnóstico.
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) o número de pessoas com transtornos mentais comuns, como a depressão e a ansiedade, está aumentando especialmente em países de baixa renda. O crescimento da população deveria ser acompanhado de investimentos na área da saúde pública, mas não acontece e o acesso à informação é precário.
Mesmo sendo tratados como tabus, os transtornos mentais necessitam de uma abordagem e diagnóstico profissional.
Segundo a psicóloga Ana Paula da Costa Fernandes, quando o diagnóstico realizado em estágio inicial, os casos de depressão e transtorno de ansiedade podem ser tratados somente com psicoterapia. Em casos avançados, além de um acompanhamento psicológico, há a necessidade de um acompanhamento médico e o uso de medicação.
Pensando neste cenário descrito, o curso de Pós-Graduação em Saúde Pública com Ênfase em Saúde Mental da Univar, realizou no domingo (08/04) uma ação que visa o combate a tais doenças. O curso que tem como objetivo qualificar profissionais para atuar na promoção, prevenção e atenção à saúde das pessoas, com foco maior na saúde mental, realizou o fechamento do módulo “Atenção e reabilitação psicossocial: prevenção e promoção à saúde” sob supervisão do professor Alan Cardec Barbosa e a coordenadora da Pós-graduação Stephania Luz Poleto.
A finalização foi com uma aula prática. Durante a feira semanal que acontece no bairro Santo Antônio em Barra do Garças, os alunos abordaram as pessoas com o intuito de fazer uma avaliação sobre o estado emocional e auxiliar no diagnóstico de algum possível transtorno como depressão e/ou ansiedade.
“A prevenção dos Transtornos de humor como a depressão, e os transtornos de ansiedade devem ser abordados também na atenção básica, assim como a hipertensão e diabetes, são abordadas.” Revela o professor Alan Cardec.
Panfletos descritivos, com informações referentes aos sintomas, a diferenciação entre tristeza momentânea e depressão e os fatores de riscos que podem ocasionar a doença, foram entregues aos transeuntes no local.

Foram realizados também questionários de auto avaliação com o objetivo de incentivar mudanças no hábito e consequentemente prevenir doenças de cunho psicológico.
Segundo a aluna Lidiane Pereira a importância da ação não está somente em alertar a população acerca dos sintomas, mas também direcioná-los aos pontos de assistência e tratamento, como os Centros de Referência de Assistência Social- CRAS, que são órgãos municipais que auxiliam no combate e fortalecimento da convivência com a família e com a comunidade.
Vale também lembrar que o curso de Psicologia da Univar oferece atendimento Psicoterapêutico gratuito à toda comunidade. Para mais informações entre em contato através do (66) 3402-4900 ou pessoalmente na clínica psicológica.