Comissão Própria de Avaliação – CPA

A Comissão Própria de Avaliação – CPA, órgão constituído nos termos da Lei nº 10.861, de 2004, conduz os processos internos de avaliação e autoavaliação institucional. É constituída por representantes da comunidade acadêmica e comunidade externa.

A autoavaliação institucional, realizada por meio de questionários e análise documental, é uma atividade que se constitui em um processo de caráter diagnóstico, formativo e de compromisso coletivo para conhecimento da realidade, ao sistematizar informações coletadas, analisando e identificando as fragilidades e potencialidades.

O objetivo principal é proporcionar subsídios da autoavaliação Institucional para aprimoramento da gestão na busca de melhorias na qualidade dos serviços prestados, pela consolidação da cultura de avaliação interna que estimule a reflexão sobre o projeto de desenvolvimento e práticas institucionais que provoque o envolvimento da comunidade acadêmica no comprometimento com a missão e valores da Instituição, constituindo referenciais que permitam tornar válidos os bons resultados e repensar os que necessitam ser melhorados.

Portaria CPA agosto de 2018
Plano de trabalho 2018

Este documento apresenta o plano de trabalho da CPA (Comissão Própria de Avaliação) para o ano de 2018. Ele é um instrumento de planejamento que define e norteia as ações a serem desenvolvidas a partir dos processos de planejamento e avaliação institucional. O objetivo desse plano consiste em projetar ações que serão desenvolvidas no âmbito da Autoavaliação Institucional das Faculdades Unidas do Vale do Araguaia em 2018

Baixar plano de trabalho 2018

RAV CICLO AVALIATIVO 2015-2017

Documento elaborado pela CPA – Comissão Própria de Avaliação das Faculdades Unidas do Vale do Araguaia em atendimento às exigências do SINAES – Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior, instituído pela Lei 10.861 de 14 de abril de 2004.

Baixar RAV CICLO AVALIATIVO 2015-2017

SÍNTESE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO - CPA 2018

INTRODUÇÃO

A Avaliação Institucional é um dos componentes do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES, Lei 10.861, 2004) e tem em vista à melhoria da qualidade dos serviços prestados e o aprofundamento dos compromissos e responsabilidades sociais das instituições de Educação Superior. É desenvolvida pela Avaliação externa, realizada por comissões designadas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP/MEC) e, a Autoavaliação que é realizada, internamente, pela Comissão Própria de Avaliação (CPA) da instituição.

A avaliação interna ou autoavaliação é um processo cíclico, que envolve análise, interpretação e síntese dos eixos que compõem a Instituição, compreende as dez dimensões determinadas no art.3º da Lei do SINAES agrupadas por afinidade em cinco eixos.

Esse relatório de autoavaliação, do ciclo avaliativo (2015-2017) está estruturado em oito partes: Introdução, Metodologia, eixo 1- Planejamento e Avaliação institucional, eixo 2- Desenvolvimento Institucional, eixo 3: Políticas Acadêmicas, eixo 4: Políticas de Gestão, eixo 5: Infraestrutura Física e a análise dos dados e das informações obtidas pela CPA no processo de auto avaliação que subsidiaram a elaboração do presente documento.

 

EIXO 1. PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

O eixo 1 abrange a Dimensão 8 e descreve a integração do processo avaliativo com o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), objetivando o acompanhamento por meio da Avaliação Institucional.

Durante o ciclo avaliativo a CPA teve como ações planejadas a participação na Semana Pedagógica juntamente com coordenadores de cursos e quadro docente da IES; revisão de documentos oficiais da IES e do INEP para elaboração do relatório parcial de autoavaliação; elaboração da síntese do relatório parcial de autoavaliação para divulgação em salas de aula, nos departamentos, em murais e no site da IES; atualização permanente do Link da CPA na página da IES; elaboração de questionários como ferramenta de coleta de dados para autoavaliação; realização de reuniões ordinária da CPA; elaboração de relatórios e encaminhamentos à equipe de gestão da IES sobre resultado da autoavaliação; conhecimento dos resultados do ENADE documentando o parecer avaliativo institucional dos cursos que fizeram a prova no decorrer do ciclo avaliativo; leitura e discussão dos relatórios de comissões externas emitidos por ocasião das visitas in loco e elaboração de parecer avaliativo sobre o curso; participação das reuniões de colegiado de gestores da IES; revisão do Relato Institucional; reunião com coordenadores de curso para discutir relatórios emitidos pelas comissões externas nas visitas in loco, elaborando parecer avaliativo sobre o curso.

Percebemos a evolução institucional no ciclo avaliativo nos registros dos relatórios de autoavaliação elaborados anualmente. Esse desenvolvimento está expresso nos PPCs, nos Projetos de formação continuada, na ampliação e manutenção da infraestrutura, ampliação do acervo bibliográfico, na oferta de políticas sociais, nas parcerias estabelecidas, na continuidade e melhoria nas políticas de ensino, pesquisa e extensão e na pós graduação em Docência do Ensino Superior  Durante o ciclo avaliativo, realizou autoavaliação permanente para planejamento de ações e tomada de decisões que busquem melhorias efetivas para o desenvolvimento institucional.

 

EIXO 2 – DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

Este eixo contempla a dimensão 1: A Missão e o Plano de Desenvolvimento Institucional e a dimensão 3: A responsabilidade social da Instituição.

Em função de sua missão e a definição das metas institucionais no PDI para o período 2013-2017, a IES atendeu as seguintes áreas de conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas, Ciências Humanas e Sociais, Engenharia e Tecnologia, Ciências Biológicas e Saúde, Ciências Biológicas e Saúde, Ciências Exata e da Terra (Agrárias). Para o atendimento das áreas de conhecimento ofertada e das metas institucionais as Faculdades Unidas do Vale do Araguaia contou com o quadro de docentes, profissional supervisor de estágio curricular supervisionado e de técnicos – administrativos no atendimento aos acadêmicos.

Ainda, para atender as metas estabelecidas no PDI conta-se com Núcleo Docente Estruturante – NDE, como apoio à organização didática pedagógica dos Cursos de Graduação na IES.

As Faculdades Unidas do Vale do Araguaia, durante o ciclo avaliativo implantou infraestrutura física atendendo as demandas dos cursos ofertados. Para isso, foi criado um Plano de Manutenção da Instituição conforme determina a Lei 13.146 de 2015 de Inclusão da Pessoa com Deficiência, pelo departamento de Manutenção e Infraestrutura.

Em relação às práticas desenvolvidas na pós-graduação articuladas com as metas do PDI foi verificado que atualmente as Faculdades Unidas do Vale do Araguaia contam com três cursos de Pós-graduação Lato Sensu, em andamento: Análises Clínicas, Docência no Ensino Superior e Saúde Pública com Ênfase em Saúde Mental.

O princípio básico da extensão no âmbito do ensino superior é a interação com a sociedade, promovendo processos educativos, culturais e científicos que, articulada ao ensino e à pesquisa, de forma indissociável, viabiliza a relação transformadora e integradora entre as Faculdades Unidas do Vale do Araguaia e a sociedade da região Barragarcenses.

Os projetos e ações de extensão realizadas nas Faculdades Unidas do Vale do Araguaia pelos cursos de graduação e alguns departamentos da instituição são divididos nas categorias: programas, projetos, cursos, eventos e prestação de serviços.

A Política de Pesquisa das Faculdades Unidas do Vale do Araguaia é efetivada por meio do Programa de Iniciação Científica, com regras definidas em cada Projeto Pedagógico do Curso, resolução própria e edital expedido pela COPEX – Coordenação de Pós-graduação, Pesquisa e Extensão. A investigação do conhecimento ocorre por meio de projetos de iniciação científica, nas áreas do saber e contribui de forma clara e objetiva para o desenvolvimento científico, tecnológico e social da região.

Nas políticas sociais, durante o ciclo avaliativo, as Faculdades Unidas do Vale do Araguaia por meio da Coordenação do Núcleo de Políticas Sociais – CNPS, e dos cursos ofertados, colocou-se à disposição para atender a comunidade em situação de vulnerabilidade social com propostas apresentadas para as coordenações de cursos, por meio do Núcleo. Dessa forma a IES faz retorno de suas produções pelos serviços prestados no meio social.  A participação nas atividades de ensino, extensão, estágio e parcerias podem ser comprovadas nos registros arquivados na IES.

Dentre as ações desenvolvidas pela IES para a inclusão e assistência a setores ou grupos sociais específicos, nesse ciclo avaliativo, foi garantida, por meio da manutenção a acessibilidade com rampas, portas e banheiros adequados, estacionamento privativo, balcões adaptados, entre outros, bem como outras melhorias como corrimão, sinalização visual, tátil e sonora, extintores de incêndio, saída de emergência.

Em conformidade com a Lei 10.098 que garante o direito a acessibilidade e deve ser entendida, à luz dos documentos atuais, em um amplo espectro – acessibilidade atitudinal, pedagógica e de comunicação – que pressupõe medidas que extrapolam a dimensão arquitetônica e abrangem o campo legal curricular, das práticas avaliativas, metodológicas, entre outras, que no ano de 2016 foi implantado o Núcleo de Acessibilidade, composto pelo Núcleo de Acessibilidade Pedagógica e Atitudinal (Núcleo de  Atendimento Educacional Especializado – NAEE e o NAP  – Núcleo de Atendimento Psicopedagógico  – com o objetivo principal de promover as condições adequadas para acesso, permanência, integração e desenvolvimento das pessoas, incluindo aquelas com Transtorno do Espectro Autista, ao Ensino Superior),  NAC – Núcleo de Acessibilidade nas Comunicações e NAA – Núcleo de Acessibilidade Arquitetônica, regulamentados por resoluções da Faculdade. A IES vem implantando políticas em prol do papel social no contexto de uma educação inclusiva em que considera pressupostos legais e conceituais na sua implantação. Destaca-se que a criação de Núcleos no ano de 2016 é uma Inovação Institucional, atendeu a Lei de Acessibilidade e promoveu políticas de responsabilidade social.

 

EIXO 3 – POLÍTICAS ACADÊMICAS

O eixo 3 apresenta as Políticas Acadêmicas de ensino, pesquisa e extensão (dimensão 2), a relação entre as políticas acadêmicas, a comunicação com a sociedade (dimensão 4) e o atendimento ao discente (dimensão 9).

As políticas de Ensino na graduação foram desenvolvidas durante o ciclo avaliativo com a atualização dos Projetos Pedagógicos dos Cursos; orientações para a prática interdisciplinar conforme prevê o PDI- 2013/2017; preocupação com a formação profissional generalista, ética, cidadã e humana; atualização dos processos pedagógicos e administrativos; contratação de professores com titulação stricto sensu; modernização e instalação de laboratórios para atender demandas dos Cursos; qualificação do corpo docente na formação continuada e da oferta de pós-graduação lato sensu proporcionada pela Instituição; ampliação do acervo bibliográfico; disponibilização de recursos audiovisuais e incentivo à iniciação científica conforme edital da COOPEX; atendimento ao acadêmico indígena que ocorre por meio do Núcleo de Políticas Indígenas; educação ambiental por meio dos projetos de iniciação científica e extensão.

As políticas de Pós-graduação lato sensu e os cursos de Formação Continuada (aperfeiçoamento e atualização), aprofundam estudos de acordo com a legislação que regulamenta a pós-graduação e as normas aprovadas pelos colegiados competentes. Buscam ofertar aos egressos e demais profissionais da comunidade, oportunidade de aprimoramento e aprofundamento da condição intelectual e profissional.

As políticas de extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula o ensino e a pesquisa de forma indissociável e viabiliza a relação transformadora entre a instituição e a sociedade. As Faculdades realizam como atividades de extensão: cursos, produções, eventos e prestação de serviços para consolidar o processo educativo, cultural e científico articulando o ensino e a iniciação.

A Política de Pesquisa é efetivada por meio do Programa de Iniciação Científica, com regras definidas em cada Projeto Pedagógico do Curso que seguem as políticas regulamentadas pela IES. A Política de Pesquisa é efetivada são desenvolvidas por meio dos Trabalhos de Conclusão de Curso, do PIC (Programa de Iniciação Científica) e PIBIC (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica), e publicação de artigos na Revista Eletrônica Interdisciplinar da IES.

A comunicação com a sociedade se dá pela utilização de meios comunicacionais com as redes sociais que permitem as mensagens atingirem muitas pessoas em um longo alcance em um curto período de tempo. Assim, foi criado perfis nas plataformas digitais tais como Facebook, WhatsApp, Instagram e Twitter, como formas de impulsionar e auxiliar o já existente site. No final de 2017, o site passou por reestruturação, visando a busca pela eficiência em informar seus envolvidos. Meios de comunicação tradicionais (folders, murais, rádios, emissoras de televisão, revistas, jornais, outdoors e outros diversos) são também muito utilizados. Está implantado na IES estruturas de comunicação que auxiliam a configurar uma gestão transparente, por meio da divulgação de decisões tomadas pelo colegiado de gestores, direção geral, administrativa e pedagógica, que são divulgadas por Resoluções Institucionais. Dúvidas, sugestões, reclamações e consultas da comunidade em geral geram diversas formas de comunicação e chegam até a gestão através de e-mails, telefonemas, mensagens em redes sociais, trabalho interno da Ouvidoria acadêmica entre outras.

São também indicadores comunicacionais utilizados pelas Faculdades Unidas do Vale do Araguaia as ações a seguir: Coordenadores de Curso atendem a comunidade acadêmica e externa; Divulgação dos resultados de autoavaliação nas reuniões, cursos e eventos promovidos pela IES ou pelas coordenações de curso; Murais disponíveis nas salas de aula, no pátio e nos corredores da Instituição para a comunicação e divulgação de informações da IES; Site da IES que disponibiliza informações; Secretaria Acadêmica oferece serviço de atendimento ao Acadêmico e à comunidade egressa; A Formação Continuada para docentes e a pós-graduação em docência no ensino superior como estrutura de informação sobre a realidade institucional aliada a política institucional; Setor próprio de comunicação com profissionais especializados para atendimento e divulgação.

Os registros revelam a quantidade de acessos e movimentações realizadas dentro da página oficial da Faculdade que atualmente contém 11 mil seguidores, acadêmicos, egressos e sociedade civil, e avaliação positiva de 4,9 em um total 5,0.  Foi utilizado um período de amostragem, totalizando 50 dias, para a retirada de dados. Durante este período foram contabilizadas 113 mensagens, sendo 95 vias e-mail e 18 vias Facebook. Consideramos que o site proporciona newsletters, que também são chamadas de boletim informativo.

No que se refere ao Programa de atendimento ao discente previsto e implantado pela IES, abrange programas de acolhimento e permanência do acadêmico. A Instituição oferece programas que facilitam a inserção e a continuação nos estudos por meios de programas de incentivo financeiro com oferta de bolsas e projetos pedagógicos que garantem a permanência: Programa de Nivelamento, monitoria, NAP (Núcleo de Atendimento Psicopedagógico), NAEE (Núcleo de Atendimento Educacional Especializado), (NPS) (Núcleo de Políticas Sociais) e ouvidoria.

Para atender a Política de Egressos: implantação do projeto “Portal do Egresso”; levantamento da participação dos egressos em minicursos, semanas acadêmicas, oferta da pós-graduação, entre outros eventos promovidos pela IES.

 

EIXO 4 – POLÍTICAS DE GESTÃO

Eixo 4 diz respeito às Políticas de Gestão, com foco no desenvolvimento das políticas de pessoal (dimensão 5), e da organização e gestão da instituição (dimensão 6), elementos do planejamento e da sustentabilidade financeira (dimensão 10).

As políticas de formação e capacitação destinadas aos docentes e dos técnicos administrativos encontram-se nos Planos de capacitação e nos Planos de Carreira.

O Plano de Capacitação docente: semana pedagógica, formação continuada, pós-graduação lato sensu em docência do ensino superior, incentivo a capacitação stricto sensu e participação em reuniões científicas, congressos, simpósios, seminários. Plano de Carreira Docente normatiza o ingresso, a promoção e o regime de trabalho do pessoal docente

Quanto às das políticas de capacitação e qualificação dos integrantes dos técnicos administrativos, a CPA avaliou que no ano de 2016 foi revisado o plano de capacitação para adequar as novas realidades da IES. Em 2017 as ações propostas no Plano capacitação começaram a ser implantadas e o objetivo continua sendo para elevar os níveis de eficiência no trabalho e no desenvolvimento dos funcionários técnicos-administrativos.

A IES possui uma estrutura organizacional com as instâncias de decisão. Regimentalmente, a administração acadêmica das Faculdades Unidas do Vale do Araguaia é exercida pelos seguintes órgãos colegiados: Administração Superior: Órgão deliberativo: Congregação; Órgãos executivos:   Diretoria Geral, Diretoria Administrativa, Diretoria Pedagógica e Assessoria Pedagógica. Administração Acadêmica: Órgãos deliberativos: Colegiado de Gestores; Colegiado de Curso, Núcleo Docente Estruturante; Órgãos executivos: Coordenadoria de Curso, Coordenadoria do ISE, Coordenadoria de Pós-graduação e Pesquisa, Coordenadoria de Extensão da Revista Eletrônica Interdisciplinar e a Coordenadoria Geral de Estágio. Órgãos Suplementares: Biblioteca, secretaria acadêmica, financeiro, ouvidoria, núcleos, clínicas laboratórios de Informática, laboratórios didáticos de aprendizagem, clínicas conveniadas, tesouraria, gerência administrativa, ouvidoria, Núcleos NAP, NAEE.

Tendo em vista o significado social da continuidade dos compromissos na oferta da Educação Superior, a IES tem procurado sistematizar e dinamizar as ações desenvolvidas pelos departamentos financeiros e orçamentários por meio de reavaliação mensal do cronograma de custos, com elaboração de relatórios, de forma que o planejamento seja adequado para ser efetivamente realizado.

São realizados investimentos em infraestrutura, com aquisição constante de móveis e utensílios, programas de softwares, hardwares, máquinas e equipamentos, acervo bibliográfico, e obras de manutenção e expansão física das instalações, bem como treinamento e capacitação docente e dos técnicos administrativos, e recursos para desenvolvimento das ações de extensão, iniciação científica e outros. O controle orçamentário é feito por meio da elaboração e acompanhamento de demonstrativos de resultados mensais e do desenvolvimento do cálculo dos indicadores de gestão.

 

EIXO 5 – INFRAESTRUTURA FÍSICA

No Eixo 5 é apresentada a Infraestrutura Física (dimensão 7) da Instituição.

Nas metas estabelecidas no PDI 2013-2017, as Faculdades Unidas do Vale do Araguaia comprometeram-se a implantar estruturas físicas que atendessem as demandas dos cursos. Para isso foi criado um Plano de Manutenção da Instituição pelo departamento de infraestrutura com objetivos de colaborar com a Mantenedora no planejamento e desenvolvimento físico da Instituição.

Constatou-se que foi aprovada Resolução nº 02-C/CG de 01 de fevereiro de 2016, que estabeleceu normas para o funcionamento do Núcleo de Acessibilidade Arquitetônica- NAA, acompanhando a implantação dos projetos executados pelo departamento de Infraestrutura, assegurando a viabilização de ações da Instituição, com objetivo de eliminar as barreiras arquitetônicas, possibilitando atendimento voltado especialmente às pessoas com deficiência visual, auditiva e física, idosos, crianças e anões.

O programa de expansão e manutenção das instalações das Faculdades Unidas do Vale do Araguaia é executado pelo Departamento de Infraestrutura, executa projetos e obras de reforma, de restauração, de reparo, de modificação, de paisagismo e de manutenção dos bens da Instituição, administrando e operando os serviços atinentes às instalações elétricas, climatização, hidráulicas e mecânicas, mantendo os serviços de policiamento e vigilância conservando as áreas verdes e logradouros e, fiscalizando as obras e serviços gerais.

Por ocasião do ciclo avaliativo as instalações físicas da IES passaram por reformas e ampliação, assim como algumas foram construídas. Foram construídas a Clínica odontológica integrada I e II, clínica veterinária, Serviço de Psicologia Aplicada – SPA, biotérios, salas de expurgo, reforma no ambiente da biblioteca, foram criados espaços para docentes em situação de pesquisa, reconstruídas salas para ouvidoria e Comissão Própria de Avaliação, assim como salas para assessoria pedagógica. Nos departamentos aconteceram modificações para melhor atender a comunidade interna e externa, como exemplo a reforma na secretaria.

Destaca-se ações de segurança implantadas pela IES, segurança eletrônica, segurança contra incêndio e pânico, sistema de proteção contra descargas atmosféricas e brigada de emergência. A IES é dotada de uma Brigada de Emergência composta por vinte brigadistas aptos ao manuseio dos equipamentos de Prevenção e Combate a Incêndio e Pânico.  Também se constatou na IES existe um sistema de captação e tratamento de água composto por um poço artesiano, filtro, bomba, reservatório de água, duas caixas d’agua e um moto bomba.

O gerenciamento do recolhimento e escoamento dos resíduos sólidos e líquidos na IES acontece da seguinte forma:  constituem-se de duas fossas sépticas implantadas na IES para resíduos líquidos que são coletados por empresas especializadas e terceirizadas. Para os resíduos sólidos em saúde, os mesmos são depositados em container da própria IES e coletados por empresa especializada, em parceria com a Prefeitura de Barra do Garças/MT.  A documentação encontra-se nos arquivos na coordenação dos laboratórios.

Os laboratórios de prática didática, atendem as propostas curriculares de todos os cursos. Nos laboratórios existe manual de serviço e normas de biossegurança. Todos possuem suas especificidades e no geral todos tem tamanho suficiente para adequar as turmas de acadêmicos, bem como o espaço conta com acessibilidade aos portadores de necessidades especiais.

A Biblioteca das Faculdades Unidas do Vale do Araguaia tem todo acervo informatizado por meio do Programa Giz e Sophia Biblioteca. A biblioteca é acessível e inclusiva atende as especificidades e necessidade de seus diferentes públicos dentro do espaço da biblioteca têm uma sala de atendimento ao PNE, com equipamentos de tecnologia assistida. Esses equipamentos são: Um Escâner com voz Readit Wand, e câmera de digitalização disponível como acessório ao software de conversão de texto em voz Readit. A política de expansão e atualização do acervo da biblioteca abrange todas as Coordenações de Cursos, Coordenação de Pós-Graduação e Direção Geral, estabelece um canal de comunicação de troca de informações quanto a atualização do acervo, em consonância com as matrizes curriculares

Em relação ao funcionamento do Centro de Processamento de Dados (CPD) está distribuído em três campos de atuação: a manutenção, a de suporte ao sistema das Faculdades Unidas do Vale do Araguaia e o desenvolvimento de sistema. A CPA verificou que as normas de segurança estão em acordo com as políticas descritas no PDI Institucional. Dentre as ações desenvolvidas pelo CPD está o gerenciamento do sistema Sophia Gestão Acadêmica

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Este Relatório de final de ciclo, coordenado pela CPA, contempla uma autoavaliação mais abrangente das Faculdades Unidas do Vale do Araguaia, considerando todas as dimensões, que entendemos essenciais como o ensino (graduação e pós-graduação), pesquisa e extensão, responsabilidade social, inclusão social e gestão, organização e sustentabilidade financeira.

Os dados e informações presentes nesse relatório são considerados ao se projetar os rumos com o planejamento institucional. Na análise dos dados são pensados o perfil e a identidade da IES em articulação com o que foi atingido em relação ao Projeto de Desenvolvimento Institucional. A aprendizagem realizada com a autoavaliação proporciona e se constitui em motivação para a melhoria contínua dos serviços ofertados.

A IES tendo em vista a qualidade do ensino, da aprendizagem e da gestão no processo de crescimento da instituição e da sociedade, comprometida com o ensino, à pesquisa e a extensão tem procurado cumprir com o seu projeto de desenvolvimento institucional na medida do possível, dentro de uma análise da realidade e da economia atual.  Dessa forma, as análises realizadas permitem concluir que o processo de autoavaliação necessita caminhar sempre na busca de melhorias das práticas institucionais para que aprimoramentos contínuos se efetivem na oferta do ensino acadêmico de qualidade.

Links uteis sobre autoavaliação

 MEC – Legislação
 MEC – Perguntas Frequentes
 INEP