Estética e Cosmética e pinturas étnicas

A maquiagem sempre foi um artigo feminino de beleza. Os produtos e técnicas acompanham o ritmo das passarelas e sempre seguem as inovações da moda. Considerada muitas vezes como uma manifestação artística, está presente nos palcos, picadeiros e telas.

Segundo a provedora Euromonitor International, o Brasil é o terceiro maior mercado consumidor do setor de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos do mundo.

Culturalmente, a explicação está no fator de a pintura corporal se fazer presente desde a antiguidade, mais que uma mera característica de manifestação cultural da humanidade, é parte integrante da formação da maioria das sociedades.

Desta forma, no dia 13 de setembro, a professora Roberta Lamounier organizou uma aula prática sobre pinturas e adereços afros e indígenas, na disciplina de Introdução a Estética para as alunas do 1° ano do curso de Estética e Cosmética.

O objetivo da aula foi conhecer os princípios da maquiagem que temos atualmente, apresentar aos discentes que em diversas etnias a pintura corporal é uma manifestação própria da cultura daquele determinado povo. Sendo assim, as tribos indígenas e africanas são grandes exemplos da confecção de desenhos sobre a pele para determinados acontecimentos.

As tintas são feitas manualmente com elementos retirados da natureza como urucum, jenipapo, vegetais de pigmentação forte, barro, entre outros. Cada risco, forma, desenho e cor tem uma simbologia e juntamente com os adereços são utilizados em determinada ocasião.

O vínculo estabelecido entre teoria e prática existente nesta atividade, contribui para o aprendizado de forma lúdica e reforça o valor das primeiras culturas existentes.